Pesquisar neste blogue

sábado, 8 de maio de 2010

Os Condes e Marqueses de Rio Maior

Conde e Marquês de Rio Maior

Os títulos nobiliárquicos (Títulos de Nobreza), foram criados inicialmente para estabelecer uma relação de vassalagem entre o titular e o monarca, mas depois do século XV começaram a ser usados como forma de agraciar os nobres por actos prestados à casa real ou ao país. Com o fim da monarquia foi extinta esta relação de governança e autoridade entre os titulares e outros nobres sob toda a população.

A relação de autoridade no sistema monárquico por ordem decrescente era:
1. Imperador
2. Rei
3. Regente
4. Príncipe Monarca
5. Príncipe Imperial
6. Príncipe Real
7. Grão-príncipe
8. Príncipe
9. Infante
10. Arquiduque
11. Grão-duque
12. Duque
13. Conde-duque
14. Marquês
15. Conde
16. Conde-barão
17. Visconde
18. Barão
19. Senhor
20. Baronete
21. Cavaleiro
22. Escudeiro

De referir que Morgado (já que vai aparecer em algumas partes deste artigo) não é um título nobiliárquico, mas um vínculo entre um pai e a sua descendência no qual os seus bens são transmitidos exclusivamente ao filho primogénito com o intuito de perpetuar os bens na linhagem da família. Os morgadios foram extintos em 19 de Maio de 1863 (Excepto o da casa de Bragança que só o foi em 1910) por D. Luis I pois provocava o empobrecimento dos filhos não primogénitos.

O título de Conde de Rio Maior está intimamente ligado á família Saldanha.
A família dos Saldanha já há muito que tinha relevo em Portugal, sendo que por exemplo João de Saldanha e Sousa, capitão de ordenanças, foi distinguido pelos seus serviços prestados durante as guerras da Restauração (1640-1667) o que permitiu a elevação de Azambujeira a sede de concelho.

Conde de Rio Maior foi um título instituído em 18 de Novembro de 1802 por D. João príncipe-regente em nome de sua mãe D. Maria I. Em 8 de Janeiro de 1803 este título foi confirmado por carta de lei em favor de João Vicente de Saldanha Oliveira e Sousa.
Lista dos condes de Rio Maior:
1º Conde - João Vicente de Saldanha Oliveira e Sousa Juzarte Figueira (N1746 - F1804)
2º Conde - António de Saldanha de Oliveira Juzarte e Sousa (N1776 - F1825)
3º Conde – João Maria de Saldanha Oliveira Juzarte Figueira e Sousa (N1811 - F1876)
4º Conde - António José Luís de Saldanha Oliveira Juzarte Figueira e Sousa (N1836 - F1891)
5º Conde - João de Saldanha de Oliveira Juzarte Figueira e Sousa (N1878 – F1970)
Com a implementação da República, acabou o sistema nobiliárquico e tornou-se pretendente ao título João António de Saldanha Oliveira e Sousa.
6º Conde - João António de Saldanha Oliveira e Sousa (N1901 – F1972)
7º Conde - João Vicente de Saldanha Oliveira e Sousa (N1930)
8º Conde – João Neto de Saldanha Oliveira e Sousa (N1963)

Marquês de Rio Maior foi um título nobiliárquico instituído em 19 de Maio de 1886 pelo rei D. Luís I em favor de António José de Saldanha Oliveira e Sousa.
Lista dos Marqueses de Rio Maior:
1º Marquês - António José de Saldanha Oliveira Juzarte Figueira e Sousa (4º Conde de Rio Maior)
2º Marquês - João de Saldanha de Oliveira Juzarte Figueira e Sousa (5º Conde de Rio Maior)
Com a implementação da República, acabou o sistema nobiliárquico e tornou-se pretendente ao título João António de Saldanha Oliveira e Sousa.
3º Marquês - João António de Saldanha Oliveira e Sousa (6º Conde de Rio Maior)
4º Marquês - João Vicente de Saldanha Oliveira e Sousa (7º Conde de Rio Maior)

Resumo bibliográfico dos condes de Rio Maior:

1º Conde - João Vicente de Saldanha Oliveira e Sousa Juzarte Figueira (N1746 - F1804)
Pai – António Vicente de Saldanha Oliveira e Sousa Juzarte Figueira (15º Morgado de Oliveira)
Mãe – Constança Maria Josefa de Portugal
Casamentos – Maria Amália de Carvalho e Daun (Filha dos 1ºs Marqueses de Pombal)
Filhos – 9 Filhas e 7 Filhos
16º Morgado de Oliveira. Comendador de Santa Maria de África. Comendador de cinco comendas da Ordem de Cristo. Grã-Cruz da Ordem de Cristo. Deputado da Junta Provisória do Erário Régio.

2º Conde - António de Saldanha de Oliveira Juzarte e Sousa (N1776 - F1825)
Pai - João Vicente de Saldanha Oliveira e Sousa Juzarte Figueira
Mãe - Maria Amália de Carvalho e Daun
Casamentos - D. Maria Leonor Ernestina de Carvalho Daun e Lorena (Filha dos 3ºs Marqueses de Pombal e 1ºs Condes da Redinha)
Filhos – 2 Filhas e 4 Filhos
17º Morgado de Oliveira. Pertenceu à câmara do rei D. João VI. Grõ Cruz das Ordens de S. Thiago e Conceição. Comendador da Ordem de Cristo. Embaixador extraordinário ao Brasil. Coronel do Regimento de Melícias dos Voluntários Reais de Lisboa. 

3º Conde – João Maria de Saldanha Oliveira Juzarte Figueira e Sousa (N1811 - F1876)
Pai - António de Saldanha de Oliveira Juzarte e Sousa
Mãe - D. Maria Leonor Ernestina de Carvalho Daun e Lorena
Casamentos – D. Isabel de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos (Filha dos 1ºs Condes de Vila Real e dama da rainha D. Maria II)
Filhos – 1 Filha e 2 Filhos
18º Morgado de Oliveira. Iniciou carreira militar como alferes de lanceiros. Pertenceu à Câmara dos Pares, criada em 1826. Em 1954 foi Governador Civil de Coimbra. Em 1858 e 1859 foi Vereador e Presidente da Câmara Municipal de Lisboa. 

4º Conde - António José Luis de Saldanha Oliveira Juzarte Figueira e Sousa (N1836 - F1891)
 Pai - João Maria de Saldanha Oliveira Juzarte Figueira e SousaMãe – Isabel Maria José de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos
Casamentos – Maria Isabel de Lemos e Roxas Carvalho e Meneses de Saint Léger (Filha dos marquezes da Bemposta-Subserra)
Filhos – não teve descendência
1º Marquês de Rio Maior.Bacharel em Direito pela Universidade de Coimbra. Oficial-maior da Casa Real (Mestre-sala). Par do Reino e deputado. Adido honorário da Legação em Paris. Provedor da Santa Casa da Misericórdia em Lisboa. Presidente da câmara Municipal de Lisboa. 

5º Conde - João de Saldanha de Oliveira Juzarte Figueira e Sousa (N1878 – F1970)
Sobrinho do 4º Conde de Rio Maior.
Pai – José Luis de Saldanha Oliveira e Sousa
Mãe – Maria Bárbara Tavares de Almeida Proença
Casamentos – Maria Bárbara da Conceição Ferreira
Filhos – 1 Filha e 3 Filhos
2º Marquês de Rio Maior. 

6º Conde - João António de Saldanha Oliveira e Sousa (N1901 – F1972)
Pai - João de Saldanha de Oliveira Juzarte Figueira e Sousa (2º Marquês de Rio Maior)
Mãe – Bárbara Maria da Conceição Ferreira
Casamento – Luísa Maury
Filhos – 3 Filhos
3º Marquês de Rio Maior. Engenheiro cívil. Oficial da artilharia (Major). Presidente da Câmara Municipal de Oeiras. 

7º Conde - João Vicente de Saldanha Oliveira e Sousa (N1930)
Pai - João António de Saldanha Oliveira e Sousa (3º Marquês)
Casamento – Maria do Castelo da Costa Ferreira Neto
Mãe – Louise Maury
Filhos – 1 Filha e 3 Filhos
4º Marquês de Rio Maior. 3º Conde de Azinhaga
Reside na Azinhaga (Golegã) e trabalhou como Eng. Agrónomo. Trabalhou no fomento da fruticultura em Portugal.
Pode consultar uma entrevista a João Saldanha em:
http://www.youtube.com/watch?v=NBBUDxRn9CI 

8º Conde – João Neto de Saldanha Oliveira e Sousa (N1963)
Pai – João Vicente de Saldanha Oliveira e Sousa (4º Marquês de Rio Maior)
Mãe – Maria do Castelo da Costa Ferreira Neto
Casamento – Maria Isabel de Barros e Cunha Pereira Coutinho
Filhos – 2 Filhas e 1 Filho

Condessa de Rio Maior

Uma menção especial à condessa de Rio Maior, D. Isabel de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos que casou com o 3º Conde de Rio Maior. Era dama da rainha D. Maria lI e filha dos 1.os condes de Vila Real (D. José Luís de Sousa Botelho Mourão e Vasconcelos e D. Teresa Frederica Cristina de Sousa Holstein).
A condessa de Rio Maior foi uma senhora extremamente bondosa, incansável no trabalho em favor da beneficência em Lisboa, vendo-se sempre à frente de todas as instituições que tivessem o fim de proteger os pobres.
Foi a iniciadora e zelosa defensora das associações de assistência pública baseadas nas organizações paroquiais. Fundou escolas católicas para os dois sexos em diversas localidades. Obteve do governo a concessão do mosteiro das carmelitas da rua Formosa (actualmente rua do Século) e ali fundou um asilo para cegas, que foi inaugurado em 16 de Julho de 1878.
A condessa de Rio Maior veio a falecer em 23 de Abril de 1890.

Duque de Saldanha
Outro dos Saldanhas que teve relevo em Portugal foi João Carlos Gregório Domingos Vicente Francisco de Saldanha Oliveira e Daun que nasceu em 1790 e era o nono filho do 1º conde de Rio Maior.
O Duque de Saldanha foi um dos obreiros do fim do absolutismo em Portugal. Foi um militar e político brilhante. Lutou contra os exércitos de Napoleão durante a Guerra Peninsular. Exerceu cargos como o de Marechal do Exército e Primeiro Ministro, chegando a liderar quatro governos. Foi também um intelectual que escreveu sobre homeopatia e filosofia, sendo igualmente um diplomata que representou Portugal em Paris, Roma e Londres, cidade em que faleceu em 1876. Resumindo, o Duque de Saldanha influenciou os destinos de Portugal durante 50 anos. Foi o 1º Conde, Marquês e Duque de Saldanha.
Em Lisboa existe uma praça muito conhecida, a Praça Duque de Saldanha (Perto da Praça Marquês de Pombal) em que se pode admirar a estátua deste grande homem.


Em Santarém existe um edifício junto ao Mercado Municipal conhecido como Palácio dos Saldanhas ou casa brasonada. A primeira referência a este edifício é de 1532, localizando a casa de morada dos Saldanhas próxima do convento de S. Domingos. Em 1775 e devido ao terramoto, o solar teve de ter obras de beneficiação e a casa contava com um oratório, armazéns, cocheiras, forno de pão, palheiro e outras dependências. O edifício media em 1755, 80,6m de comprimento e 65m de largura. O solar voltou a ser recuperado na primeira metade do século XIX tomando a forma actual. Em 1911, o solar compunha-se de primeiro andar, lojas, celeiro, quintal, casa baixa de habitação e mais pertenças. Actualmente o piso térreo é ocupado por restauração, lojas e armazém. No piso superior existe um centro de enfermagem e escritórios.

Neste edifício que já foi pertença dos Saldanhas pode-se ver o brasão da família.

6 comentários:

  1. Sou de Azinhaga e gostei de tudo o que vi e li.
    Parabéns

    ResponderEliminar
  2. Como tenho raízes em Barcarena, e gosto de História esta informação foi muito útil para perceber a história da família, que também foram Senhores do Morgado de Barcarena.
    Obrigada pela publicação e pela ajuda.

    ResponderEliminar
  3. Como tenho raízes em Barcarena, e gosto de História esta informação foi muito útil para perceber a história da família, que também foram Senhores do Morgado de Barcarena.
    Obrigada pela publicação e pela ajuda.

    ResponderEliminar
  4. Obrigado pelas palavras amigas que aqui deixaram.

    ResponderEliminar
  5. Parabéns por este muito interessante resumo ... estou a procurar estabelecer as origens e percursos dos Morgados de Oliveira e esta informação foi muito útil.

    ResponderEliminar
  6. .... resta-me dizer que, além do condado, existem duas ligações históricas dos Condes e Marqueses de Rio Maior e dos Morgados de Oliveira a Rio Maior, foi o 2.º Conde que primeiro solicitou a erecção em vila da povoação de Rio Maior (concretizada em 1836), e que 8.º Morgado de Oliveira, João Mendes de Oliveira, era padroeiro da Igreja de São João de Rio Maior (actual São João da Ribeira), junto com Rui Gomes da Silva, senhor de Ulme, os quais, a pedido de D. Afonso V, cederam o seu direito de padroado dessa igreja ao Mosteiro de São Bento de Xabregas em 1469, o que poderá querer dizer que esta igreja fora fundada por antepassados dos Condes de Rio Maior ...

    ResponderEliminar