terça-feira, 24 de janeiro de 2023

A Cabra Sapadora da Cooperativa Terra Chã

Na Terra Chã existe uma homenagem às Cabras Sapadoras que protegem a Serra dos Candeeiros dos incêndios de Verão.
Para além desta meritória função ainda permitem o fabrico de queijo e permite a conservação da Gralha de Bico Vermelho.
 

 

domingo, 20 de novembro de 2022

Museu Didático do Automóvel em Miniatura em Assentiz

O Museu Didático do Automóvel em Miniatura encontra-se em Assentiz no antigo edifício do Jardim de Infância.
É uma organização da JuvAz (Associação de Jovens de Assentiz) e contem a colecção pertencente a um habitante local, Rui Teixeira.
O museu foi inaugurado a 19 de Setembro de 2015.

A exposição conta com cerca de 1800 miniaturas de variadíssimas coleções. No entanto existem mais algumas centenas de miniaturas que aguardam condições para também poderem ser apreciadas.


O espaço não tem só a exposição e é composto por:
- Exposição de Colecções de miniaturas automóveis
- Pequena Biblioteca
- Videoteca, com a projecção de filmes
- Maquetes de peças
- Oficina, onde é feita a manutenção das miniaturas













É um museu diferente e bastante interativo que merece uma visita. A paixão de Rui Teixeira pelas miniaturas e pela mecânica automóvel faz-se sentir em todos os espaços. Nota-se que faltam apoios para o museu não estagnar e continuar a servir a comunidade o que deveria fazer as entidades com responsabilidade apoiarem estas iniciativas.

O museu aceita doações de miniaturas e peças mecânicas.
Os contactos e horários de visita são:
Horário: Domingos das 14h30 às 18h00 ou por marcação
Morada: Antigo Jardim de Infância de Assentiz, 2040-536 Assentiz
Tel.: 914 909 217 (Filipa Fonseca) | 917 870 470 (Diana Raimundo)
E-mail: juv.assentiz@gmail.com
Website: www.miniatura-automovel.pt
Museu Didático do Automóvel em Miniatura (Facebook)
 

terça-feira, 6 de setembro de 2022

Monumento dos 300 anos da Feira de Setembro


No passado dia 1 de Setembro foi inaugurado o monumento alusivo aos 300 anos de existência da Feira de Setembro em Rio Maior.

O monumento em Ferro com a forma de uma cebola foi feito em Rio Maior. 
A inauguração inserida nas iniciativas da feira deste ano, contou com a presença, entre outros, do Presidente da Câmara de Rio Maior, Luis Filipe Santana Dias. 

Pode saber mais sobre esta feira em:  
 
O monumento tem iluminação interior

segunda-feira, 28 de março de 2022

Água de Inglaterra em Rio Maior

Água de Inglaterra é um dos exemplos mais marcantes dos 'remédios de segredo' muito em voga durante o século XVIII. Pelo nome de Água de Inglaterra eram conhecidos vários preparados farmacêuticos, produzidos por diferentes fabricantes desde finais do Séc. XVII a inícios do Séc. XIX e que apresentam em comum, além do nome, o facto de serem vinhos de quina. Eram utilizados para o tratamento do paludismo, que era então uma das doenças mais importantes, atingindo um grande número de pessoas. A importância medicinal da Água de Inglaterra reside no facto de a quinina ser o seu princípio ativo mais importante, constituindo o mais antigo quimioterápico ainda em uso.

Em 1794 o uso era de tal modo generalizado que Jacob de Castro Sarmento viu-se na necessidade de redigir um documento em que tenta provar os benefícios da sua Água de Inglaterra e de ter em cada terra um representante oficial para a sua distribuição.

Em Rio Maior a legítima representante era a viúva de João Rodrigo Gomes.

Castro Sarmento criou uma verdadeira rede de distribuição da Água de Inglaterra em Portugal. Com o isolamento da quinina por Pelletier (1788-1842) e Caventou (1795-1877) em 1820 e a sua substituição pelo sulfato de quinina, a Água de Inglaterra perde a importância que teve no século XVIII.

Quina é o nome de várias plantas arborescentes da família das rubiáceas, encontradas na América do Sul, cuja casca tem propriedades antifebris. O processo para fazer a Água de Inglaterra passa pelo cozimento da casca da quina, mas como o sabor é muito mau, tem que ser usado num outro preparado chamando-se vinho de quina. Chama-se Água de Inglaterra pois inicialmente era importada de Inglaterra e só com Castro Sarmento é que começou também a ser produzida em Portugal. Como curiosidade o ‘Gin Tónico’ é mais uma bebida inglesa em que se mistura a aguardente de zimbro com água de quinino, dois líquidos com características medicinais (o Gin, usado contra a “peste negra” e a água tónica com quinino utilizado contra a Malária).


quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022

História da Imagem de Nossa Senhora de Arrouquelas

Na publicação de 1707, “Santuário Mariano e Histórias das Imagens Milagrosas de Nossa Senhora”, consta uma publicação curiosa sobra a imagem de Nossa Senhora da Encarnação em Arrouquelas.

Aqui se pode ler, como a idade da imagem já na altura era considerada muito antiga, como o pároco a tentou levar de Arrouquelas, mas por milagre a imagem retomava ao seu local e como as pessoas acorriam à imagem com os seus pedidos e Nossa Senhora respondia com milagres. É curioso a referência à paga dos milagres com o peso da pessoa em trigo, sendo que a balança ainda existe na igreja.

"Titulo 77

Da Imagem de Nossa Senhora de Arrouquelas, ou da Encarnação.

E no mesmo termo da Vila de Santarém, e quase no mesmo distrito da Escusa (São João da Ribeira) se vê outro lugar, a que dão o nome de Arrouquelas. Perto deste lugar apareceu também outra Santíssima Imagem da Soberana Imperatriz da glória, a quem dão o titulo da Encarnação, porque o de Arrouquelas foi tomado do lugar do seu aparecimento ou porque junto a ele se manifestou. Também consta da tradição que aparecera no mesmo lugar em que hoje é venerada e podia bem ser que após o seu aparecimento fosse levado pelo pároco para a mesma freguesia de São João da Ribeira e que a Senhora enamorada do lugar e sítio de seu aparecimento se não quisesse acomodar a ficar naquele que lhe dava o pároco da Igreja de São João.

É esta Santíssima imagem muito antiga e por esta causa não sabem dizer aqueles camponeses, nem por tradição, o tempo nem o modo da sua manifestação. E só confessam com muita experiência o ser sempre procurada de todos, pelos muitos prodígios que faz, como o testemunham os sinais e memórias deles.

Com os meninos doentes se vê estas maravilhas continuamente e o mesmo é oferecê-los à Senhora pesados a trigo, para o que há na sua Igreja uma balança que serve este propósito. É vê-los saírem logo da presença daquela piedosa Senhora, sãos e livres da queixa que padeciam.

O mesmo experienciam em os mais achaques que padecem os que que com verdadeira devoção e viva fé imploram em suas necessidades a seu favor.

É esta Santa Imagem tão pequena, que não chega a um palmo e meio a sua altura, está com muita veneração recolhida em um tabernáculo ou nicho de vidraça. Festejam-na com muita grandeza no dia da sua Natividade e são muitas as afluências e romagens, não só neste dia, mas por todo o decorrer do ano."

Podem saber mais sobre a Igreja de Arrouquelas, em:

https://rio-maior-cidadania.blogspot.com/2009/12/igreja-matriz-de-nossa-senhora-da.html

Podem saber mais sobre a balança para pesar as crianças em:

https://rio-maior-cidadania.blogspot.com/2019/01/balanca-na-igreja-de-arrouquelas.html

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2022

Trabalho de arqueologia realizado em 1873 na Gruta de Alcobertas

No “Portugal Antigo e Moderno” de 1873 existe uma história curiosa sobre a Gruta de Alcobertas.

Esta gruta, é identificada no texto como existente no chamado “Cabeço de Truquel” e a Serra dos Candeeiros é ainda referida como Serra dos Albardos devido ao frio que se costuma sentir no cimo da serra.



O curioso da história é os locais terem posto fogo na gruta para evitar os trabalhos arqueológicos de 1869. Mas a história começa assim:

“…

Em 1869, o Sr. Joaquim Possidónio Narciso da Silva, distinto arquiteto da casa real, fundador da Associação dos Arquitetos Civis Portugueses, e do Museu Arqueológico que está na igreja gótica do Carmo, em Lisboa. Inteligente e zeloso amador das antiguidades da pátria, fez aqui uma viagem, de propósito para investigar todas as particularidades da gruta e se a sua existência pertencia a épocas pré-históricas, como parece provável.

Viu que a entrada da gruta está meio escondida pela rama de espessos arbustos e é baixa e estreita. A primeira gruta é uma espécie de vestíbulo, bastante alta, mas pouco espaçosa. Porém, por uma abertura existente no rochedo, passa-se a outra gruta muito mais vasta. Ambas as grutas têm nas rochas que formam a abobada uns buracos por onde entra o ar e a luz.

Achou o Sr. Silva a pouca profundidade uma camada de cinza (com alguns ossos misturados) com bastante espessura e ocupando todo o centro da gruta. Por baixo desta camada de cinza achou uma de areia e por baixo desta outra de cinza e ossos, como a superior.

Em vista disto, é de supor que esta gruta fosse destinada para necrópoles, ou jazigo dos restos mortais desses povos primitivos.

Já era muito, mas o Sr. Silva tinha fundadas esperanças de vir a descobrir instrumentos e outros vestígios dos tempos pré-históricos.

Como era noite, interromperam-se os trabalhos. No dia seguinte, quando o Sr. Silva chegou à gruta com os criados e trabalhadores para continuar as investigações, viu que dos respiradouros da gruta saiam densas espirais de fumo. Foram os pastores da serra que julgando que lhes iam roubar tesouros que reputavam seus (apesar de na véspera o Sr. Silva lhes dizer que caso aparecesse algum ouro ou prata lhes dava tudo a eles) tinham enchido a gruta de mato (para o que tinham trabalhado toda a noite) e lhe haviam lançado fogo.

No dia seguinte voltou o Sr. Silva, mas o fumo e o calor não deixaram penetrar na gruta, pelo que reservou a continuação dos trabalhos para o dia seguinte. Mas recebendo um telegrama para regressar a Lisboa ficaram, por enquanto, suspensas as suas investigações.

Por essa ocasião, mostraram também ao Sr. Silva na mesma serra, à distância de coisa de um quilometro da gruta, um dólmen perfeitamente conservado. Foi um ótimo achado porque não havia conhecimento, nem memória escrita, desse monumento céltico naquela localidade.”


Mas quem foi Joaquim Possidónio Narciso da Silva?

Possidónio da Silva nasceu em Lisboa a 15 de maio de 1806.

Por causa da invasão napoleônica em Portugal, no ano de 1807, Possidónio da Silva partiu para o Rio de Janeiro, no Brasil, junto com sua família. Lá, passou parte de sua juventude.

Em 1824, com dezoito anos de idade, Possidónio da Silva foi estudar Arquitetura na École des Beaux-Arts, em Paris, França. Entre 1829 e 1830, esteve em Roma, mas retornou a Paris para trabalhar no Palais Royal e no Palácio das Tulherias.

Em 1833, Possidónio da Silva regressou a Portugal, onde se tornou arquiteto da Casa Real. Participou nas obras dos Palácio da Pena, São Bento, Necessidades e traçou o Palácio do Alfeite.

Entre 1851 e 1853 foi o 2.º Grão-Mestre da Grande Loja Provincial do Oriente Irlandês.

Foi no final da década de 1850 que adquiriu do Governo apoio para o primeiro levantamento dos monumentos nacionais. Possidónio da Silva procurou também, por meio de jornais, informar o público da necessidade de preservar o património arquitetónico português.

Em 1867, durante a Exposição Internacional de Paris, realizou-se a segunda sessão do Congresso Internacional de Antropologia e Arqueologia Pré-histórica, em que Possidónio da Silva obteve o primeiro contacto com as práticas da Arqueologia, em especial a escavação estratigráfica e sectorial. Em 1878, em seu livro “Noções Elementares de Archeologia”, Possidónio da Silva publicou uma síntese desses métodos.

Possidónio da Silva foi fundador e presidente da Associação dos Arquitectos Civis Portugueses que passou a se chamar Real Associação dos Arquitectos Civis e Arqueólogos Portugueses, antes de se cindir, já depois da morte do Joaquim, e dar as atuais Ordem dos Arquitectos e Associação dos Arqueólogos Portugueses (AAP).

Também foi membro do Instituto de França e da Société française d'archéologie.

Joaquim Possidónio Narciso da Silva faleceu a 23 de março de 1896.


Pode saber mais sobre a gruta de Alcobertas, em:

Cidadania RM - Rio Maior: Gruta de Alcobertas (rio-maior-cidadania.blogspot.com)

segunda-feira, 13 de dezembro de 2021

Em 1938 estava prevista uma fábrica de adubos para Rio Maior

Em 1938, falava-se na construção de uma fábrica de adubos em Rio Maior.


Segundo o documento “World Trade Notes of Chemical and Allied Products” do Departamento do Comércio dos Estados Unidos, reportam a intenção de uma empresa francesa de construir uma fábrica de adubos em Rio Maior.


“Proposta de uma fábrica de Nitrogénio em Portugal – Interesses financeiros franceses estão a considerar construir uma fábrica de sulfato de amónia em Portugal. A fábrica irá laborar segundo o processo Casale e terá uma capacidade de produção anual de 30.000 toneladas de sulfato de amónia. O local escolhido é Rio Maior, Santarém e os produtos propostos são amónia sintética, ácido nítrico, ácido sulfúrico, sulfato de amónia e outos fertilizantes. O carvão para a laboração virá das minas que se situam perto de Rio maior.
(Consulado Geral Americano, Lisboa)”.

Esta fábrica nunca veio a ser criada.

Já em 1947 o Ministério da Economia de Portugal também pretendia construir uma fábrica de adubos químicos para aproveitar as lignites de Rio Maior e que seria para instalar no Vale de Santarém, Rio Maior ou Caldas da Rainha.
Em 1949 existe uma grande expectativa em torno do aproveitamento industrial das lignites. Prosseguem os estudos para instalação de fábrica de adubos químicos, com sondagens em terrenos a sul da vila de Rio Maior, entre o sítio das Bastidas e a Quinta dos Sobreiros.
Esta fábrica também nunca veio a ser construída.

A fábrica de adubos poderia ter trazido alguma dinâmica no tecido empresarial de Rio Maior e teria permitido a que a Mina do Espadanal funcionasse por mais uns tempos, mas também teria trazido problemas ecológicos para toda a região.