Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Rio Maior em 1867

Podemos fazer um retrato da situação de Rio Maior em meados do século XIX, por um livro editado pela Imprensa Nacional de 1869, com o título “Collecção dos Relatorios das Visitas Feitas aos Districtos pelos Respecticos Governadores Civis em Virtude da Portaria de 1 de Agosto de 1866”.
 
A imagem representa trajos de Lisboa em 1859.
 
Pelo distrito de Santarém, relatou em 25 de Fevereiro de 1867 o governador civil, João Read da Costa Cabral.
Sobre Rio Maior está escrito o seguinte:
“Concelho de Rio Maior
Este Concelho, comquanto tenha uma area bastante grande, todavia é pobre em pessoal e material, sendo causa d’esta ultima parte não tanto a esterilidade do seu solo como a falta de vias de communicação, pois não tem nenhuma estrada por onde possa com facilidade exportar os seus productos, que aliás ainda são de alguma importancia e muito sobram do consumo concelhio : taes são o bellissimo sal produzido pelas suas salinas, alimentadas pela agua salgada tirada de um poço aberto no meio de uma charneca, que é uma das maravilhas da natureza n’aquelle sitio ; magnificas madeiras que pela difficuldade do transporte não podem concorrer ao mercado, afóra os cereaes e outros productos agricolas que ainda são em maior quantidade do que a necessaria para o consumo e que se tornariam recommendaveis pela sua boa qualidade, como o vinho, as fructas, etc., o que tudo ali fica estagnado. Possa pois o governo auxiliar este concelho com boas estradas districtaes, que se me afigura que o thesouro muito lucrará como o augmento da receita que ha de auferir aos cofres publicos, porquanto a agricultura, o commercio e a industria hão de ali tomar grande incremento.
Examinando a escripturação da camara encontrei-a em mau estado, o que é devido á falta de intelligencia do seu respectivo escrivão e mesmo dos presidentes que ali téem servido, comquando animados dos melhores desejos, devendo confessar que reputo o escrivão homem probo. A escripturação da administração do concelho estava mais regular, devido esto á intelligencia e dedicação do administrador, que então era o bacharel José da Fonseca e Silva Garcez, que hoje exerce igual cargo no concelho do Cartaxo.
Na villa de Rio Maior não ha hospital, a irmandade da misericordia porém tem um pequeno albergue onde recolhe os pobres que por aquella villa vão em direcção ás Caldas da Rainha, que são em grande numero, especialmente nos mezes de maio a agosto. O albergue de que fallo não tem nenhuma condição hygienica ; collocado em uma casa velha, sem ventilação, tem apenas uma tarimba onde os pobres e doentes descansam o tempo que ali se demoram, valendo-lhes a benignidade da estação, porque se houvessem de ali soffrer os rigores de uma noite de inverno, julgo que a maxima parte seriam cadaveres no dia seguinte. No entanto os actuaes mesarios da misericordia procuram melhorar as tristes condições d’este albergue, applicando para este fim algumas sobras da irmandade e promovendo donativos dos habitantes caridosos do concelho para supprimento da despeza que não poder effectuar-se pelas forças do cofre da misericordia.
Muitas são as necessidades d’este concelho, porém as que considero mais urgentes são as que vou enumerar:
1ª A construcção da ponte sobre o rio que fica ao sul da villa de Rio Maior;
2ª O acabamento da canalisação de agua para o chafariz que n’aquella villa foi mandado fazer pelo governo;
3ª Continuação da estrada que d’aquella villa vem para Santarem, bifurcando-se, se tanto for possivel, um ramal para o Cartaxo;
4ª A factura de uma estrada que ligue Rio Maior com Alcobaça, com a qual muito utilisarão alem dos povos d’estes dois concelhos muitos outros d’aquellas localidades;
5ª Limpeza das areias da ribeira do Outeiro, expropriando o assude que se acha ao fundo da mesma ribeira, que tem sido causa de se estragarem as ferteis terras que ali ha.
Dotado pois d’estes melhoramentos, o concelho de Rio Maior poderá no futuro ser um dos primeiros concelhos do districto.”
Um pouco mais à frente, nas tabelas de resumo, pode-se ter uma noção do número de pobres que havia em Rio Maior. Em Rio Maior haviam 14 pobres dos quais 8 se dedicavam à mendicidade (No distrito de Santarém haviam 1.565, dos quais 995 exerciam a mendicidade).

2 comentários:

  1. Aqui está mais um contributo importante para sabermos um pouco mais sobre a história do concelho de Rio Maior e, até, dando pistas para se pesquisar sobre outros concelhos da região de Santarém. Muito obrigado Américo.
    Manuel Sá

    ResponderEliminar
  2. Bom dia.
    O artigo completo, pode ser consultado em:
    http://books.google.pt/books?id=XsxOAAAAYAAJ&printsec=frontcover&hl=pt-PT&source=gbs_ge_summary_r&cad=0#v=onepage&q&f=false

    ResponderEliminar