Pesquisar neste blogue

sábado, 13 de fevereiro de 2010

Dólmen - Igreja de Santa Maria Madalena em Alcobertas



Um dos monumentos mais importantes que existe em Alcobertas é sem dúvida a Igreja de Santa Maria Madalena devido ao seu Dólmen.
O Dólmen de Alcobertas foi um monumento funerário megalítico (datado do período de 4000AC a 3500AC) e encontra-se entre os 10 maiores da Península Ibérica. Desde 1957 que este Dólmen está classificado como Imóvel de Interesse Público (IIP).




O Dólmen é formado por oito esteios de calcário e já possuiu um monólito que tapava a câmara mas que entretanto se partiu. Actualmente a cobertura do Dólmen é formada por um telhado de telha mourisca suportado por uma estrutura abobadada de alvenaria. O corredor de acesso é formado por dois esteios e uma pedra de cobertura.
O arco que faz o acesso ao Dólmen é revestido a azulejos do séc. XVII e no topo temos um painel representando Santa Maria Madalena em Oração.
O altar primitivo encontra-se encostado ao esteio de cabeceira sobre o qual se encontra a imagem em terracota de Santa Ana, embora inicialmente seria uma imagem da Santa Maria Madalena. Encostado a este altar foi construído outro no século XVII com o frontal revestido a azulejos com um quadro representando a Santa Maria Madalena desnuda. Na igreja pode ser admirada a pia baptismal e pias de água benta do século XVI e azulejos com padrão seiscentista.
É óbvio que este é um monumento pagão incorporado na religião cristã, mas existe a lenda que a incorporação do Dólmen na igreja foi da responsabilidade de Santa Maria Madalena.
Segundo a lenda, os populares cristãos, desmantelaram a anta por ser símbolo pagão, mas por poderes divinos esta foi reconstruída por Maria Madalena. Tantas vezes foram as que o povo destruiu a anta, quantas as que a Santa a voltou a construir, que o povo desistiu da ideia da demolir e decidiu inserir esta na capela que queriam construir.
Existem mais duas versões desta lenda
1- Foi a Santa Maria Madalena que transportou as pedras da Serra da Lua (serra vizinha) e as colocou neste local para formarem um local de oração dos populares.
2- A Santa fez nascer as pedras neste local para os crentes poderem expiar os seus pecados.
Seja como for, parece óbvio haver uma ligação entre a cristianização de um monumento pagão e a Santa 'pecadora'.

Na fachada principal da igreja, pode-se observar no seu nicho, a imagem original de Santa Maria Madalena.
Maria Madalena é uma personagem importante para os cristãos, sendo recordada na igreja primitiva como uma mulher notável, corajosa, com qualidades de liderança e amiga íntima de Jesus. Maria Madalena começou a seguir Jesus após ter sido por Ele curada de 'espíritos e enfermidades', especificando mesmo S. Lucas que dela 'tinham saído sete demónios' (representantes do dilaceramento íntimo que Madalena experimentou). Maria Madalena era muito próxima de Jesus sendo mesmo chamada a partir para anunciá-Lo aos apóstolos após ter encontrado o Seu túmulo vazio, tornando-se assim conhecida como 'apóstola dos apóstolos'.


 
 
Encostado à igreja encontra-se o Centro Paroquial de Alcobertas. O piso térreo é uma das alas da própria igreja.


Pia baptismal do século XVI.
Pia de água benta, também datada do século XVI.
Painel de azulejos no topo do arco de acesso ao dólmen, representando Santa Maria Madalena em Oração.
Acesso ao dólmen pelo interior da igreja.
Altar no interior do dólmen com o painel de azulejos representando Santa Maria Madalena desnuda.
O espaço que fica entre os esteiros e o suporte do telhado em alvenaria, é constituido por pequenos tijolos.
Nas pedras da gruta encontram-se pequenas covas que podem ter servido para colocar oferendas ou velas.
O acesso ao topo da torre sineira é realizado por uma escada em 'caracol' toda em pedra.
No início da escadaria encontra-se uma placa comemorativa das obras realizadas no final do ano passado, na qual se pode ler "Aos vinte e nove dias do mês de Novembro do ano da graça de mil novecentos e noventa e oito, segundo ano preparatório do grande jubileu do ano dois mil, depois de significativas obras de restauro e ampliação, foi esta Igreja Paroquial de Alcobertas dedicada a Deus com o título de Santa Maria Madalena, por sua excelência reverendíssima o senhor D. Manuel Pelino Domingues, segundo Bispo de Santarém".
No cimo da torre sineira encontram-se os 4 grandes sinos de 1999.

No exterior encontra-se uma placa do ano 1986 comemorativa dos 450 anos da elevação de Alcobertas a freguesia, na qual se pode ler " 1536 - Alcobertas - 1986 ; No 450º Aniversário da elevação a freguesia sufragánea à Igreja Matriz de Alcanede por carta de licença do senhor D. Afonso cardeal de São Braz arcebispo de Lisboa em 4 Julho de 1536; A comissão comemorativa: Alcobertas Futebol Clube, Rancho Folclórico Chãos, Junta Freguesia e Paróquia Alcobertas ; Alcobertas 21-09-1986".

História do monumento.
Entre 4000AC e 3500AC foi construído o Dólmen ou Anta como monumento funerário megalítico.
Provavelmente após 1147 com a chegada dos cristãos a estas terras o espaço oferecido pelo Dólmen terá sido usado para criar a ermida de Santa Maria Madalena.



Em 4 de Julho de 1536, o Cardeal de São Brás, Arcebispo de Lisboa eleva esta ermida a igreja com jurisdição paroquial o que leva a que sejam realizadas obras de ampliação permitindo albergar mais fiéis. O Dólmen é transformado em capela-mor.


No século XVII foi necessário ampliar novamente o espaço do templo. Com esta obra dá-se a rotação do templo, passando o Dólmen a ser uma capela lateral e o altar-mor no local a onde ainda hoje está localizado. Fruto da época a igreja é erigida com traça barroca.
Entre os séculos XVII e XVIII a pedra de cobertura parte-se e cai, sendo substituída pelo telhado.


Nos anos cinquenta do século XX é realizada uma obra profunda nesta igreja. A fachada assume uma feição triangular perdendo o recorte barroco. A torre sineira sobe dois registos, é incluído o relógio e a cúpula passa a ter formato piramidal. É construído um alpendre na entrada principal. O acesso ao púlpito é demolido dando uma maior visibilidade à entrada do Dólmen. A capela-mor é demolida permitindo ampliar toda esta área, incluindo o Arco Triunfal. Foram criados dois novos altares laterais, substituídas as colunas do coro, abertos vãos nas paredes laterais para confessionários, construída a sacristia e construída uma sala polivalente.


No final do século XX (finais da década de 90) e novamente devido a necessidades de ampliação, novas obras vão ser realizadas, permitindo repor algumas das características da igreja que as obras de meados do século XX tinham adulterado.
Foi demolida a parede lateral da capela-mor de modo a se poder acolher mais pessoas durante o culto num espaço anteriormente pertencente à casa paroquial. O altar-mor é demolido bem como os altares laterais, a sacristia e a sala polivalente. Foram tapadas as aberturas nas quais se encontravam os confessionários e reabilitados os primitivos nichos e altares. Foram criadas novas entradas de luz natural.
No entanto as obras não acabam por aqui, havendo planos para ampliar o Centro Paroquial de Alcobertas.


A imagem seguinte foi retirada do blogue 'Alcobertas - Pérola da serra' no artigo
http://alcobertas-online.blogspot.com/2008/11/igreja.html e mostra a igreja antes das obras realizadas em meados do século passado com o seu estilo barroco.

1 comentário: