Pesquisar neste blogue

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Povoado Paleolítico em Vale de Óbidos


Este povoado pode ser o mais antigo até agora descoberto a nível mundial em que havia uma clara separação das zonas de atividade masculinas e femininas.

O acampamento data de há cerca de 25 mil anos e integra-se no período gravetense.
A descoberta ocorre em 1992 após a abertura de um caminho de emergência para combater um incêndio no pinhal. No inverno seguinte e devido à chuva houve erosão das zonas de corte da estrada e aí apareceram várias peças líticas como lascas, lamelas, pontas, núcleos e raspadeiras.
Os achados encontravam-se bem preservados pois o pinhal nunca tinha sido lavrado em profundidade sendo os materiais encontrados nos mesmos locais em que foram deixados pelas populações originais.
O povoado encontra-se em Vale de Óbidos, Rio Maior, numa encosta de colina que separa as linhas de escoamento do rio Maior e do rio Jaleca e a uma altitude de cerca de 100 metros acima do nível do mar. Os vales dos dois rios seriam áreas protegidas dos ventos dominantes e seriam uma área de água e caça abundante.
Atualmente a zona do antigo povoado encontra-se no lado direito da estrada ‘Rua da Estrada Principal’ a cerca de 750 metros para quem vem da Avenida dos Combatentes.



O aspeto mais notável deste povoado do Paleolítico Superior é a existência de três áreas funcionais distintas e afastadas entre si: 
               - Oficina de talhe, onde eram feitas as lâminas, lamelas, pontas de setas, … (Zona masculina) 
               - Zona onde se cozinhavam os alimentos e se tratavam as peles dos animais (Zona feminina). Esta zona também era a área residencial. 
               - Zona de fumagem das carnes dos animais mortos na caça, armazém de resinas e produção de colas.
Com os achados do povoado de Vale de Óbidos procura-se também dar respostas a algumas dúvidas existentes sobre o aparecimento do Homem Moderno.

Os achados foram analisados pelo arqueólogo português a viver em rio maior, Carlos Pereira e por outros investigadores norte-americanos como Paul Thacker.
O povoado está classificado no Portal do Arqueólogo com o código 14980 e já foi alvo de vários trabalhos: Escavação em 1999; Escavação em 2000; Escavação em 2001; Prospeção em 2011.
Em 2011 foram usados métodos inovadores na análise dos vestígios: 
               - Prospeção por resistividade elétrica – Permite identificar locais com maior concentração de artefactos. 
               - Microdébito – Permite detetar vestígios de muito pequena dimensão. 
               - Extração de lípidos – Analisando as pedras usadas para cozer os alimentos pode-se ter informação da gordura usada e daí extrapolar para o tipo de dieta da comunidade. 
               - Susceptibilidade magnética – Permite obter informações complementares sobre as estruturas onde se fazia o fogo.

Sem comentários:

Enviar um comentário