Pesquisar neste blogue

domingo, 6 de maio de 2018

Néon Run

Integrada na semana da Juventude ocorreu ontem, 5 de Maio, a Néon Run Rio Maior.


Esta corrida de 5km foi mais um passeio que juntou a família ou amigos numa forma diferente de percorrer a cidade de Rio Maior.
O evento teve uma grande adesão e foi vê-los a desfilar com pinturas de guerra na cara e na mão com o stick de néon.


O caminho estava iluminado com luz negra e havia ainda surpresas como uma passagem por uma espessa camada de espuma.
No final juntaram-se todos no Jardim Municipal para ouvirem o concerto da Carolina Deslandes.


Uma boa forma de animar a cidade.


terça-feira, 1 de maio de 2018

Padre Armando Delgado Marques


O Padre Armando Delgado Marques nasceu a 24 de Dezembro de 1928 na Ribafria, Benedita.
Cresceu numa família muito religiosa e aos 9 anos de idade foi internado nas Oficinas de São José em Lisboa como consequência do falecimento de seu pai.
Com quase 14 anos, a 5 de Janeiro de 1942 foi admitido no Seminário Patriacal de Santarém e a 29 de Junho de 1953 foi ordenado em Lisboa pelo Cardeal D. Manuel Gonçalves Cereja.
Começou a exercer ainda em 1953 na paróquia de A-dos-Negros e em Outubro de 1959 muda-se para Rio Maior como coadjutor do Padre António Pereira Quartilho.
A 1 de Janeiro de 1960 foi nomeado pároco de Rio Maior.

Apesar de Rio Maior na altura não ter uma comunidade muito religiosa, o Padre Armando foi recebido muito bem. A população esperou-o na povoação de Senhora da Luz e em cortejo automóvel acompanhou-o até à Igreja da Misericórdia.
Em Rio Maior o padre Armando desde logo abraçou e dedicou-se à tarefa para a qual foi nomeado directamente pelo Cardeal Cereja que foi a da construção da Igreja Nova. De notar que esta igreja nova já estava planeada pelo Ministério das Obras Públicas desde 1875 e que em Rio Maior os ofícios religiosos se realizavam na Igreja da Misericórdia.
O Padre Armando sempre foi muito dinâmico e empreendedor e a sua ação não se ficou pela construção do novo templo. O seu maior feito foi o de transformar mentalidades e conseguir unir a população na ajuda dos mais desfavorecidos.
Integrou-se muito bem na comunidade e estava sempre pronto a ajudar a quem nele procurasse ajuda.
Não tinha problemas em frequentar os cafés e tabernas de Rio Maior, nem se negava a um jogo de cartas ou xadrez. Organizou jogos de futebol e levou jovens a Lisboa para ver o cinema.
O Padre Armando também se ligou ao jornalismo tornando-se associado da tipografia que imprimia o jornal “O Riomaiorense”.
Foi professor de Religião e Moral na Escola Preparatória Latino Coelho.
Foi fundador dos ranchos folclóricos do Arco da Memória e Senhora da Luz.
O Padre Armando foi incansável na organização de eventos para angariação de fundos para a construção da nova igreja. A Igreja foi finalmente inaugurada a 26 de Maio de 1968 apesar da falta de dinheiro e das muitas polémicas que a rodearam.
Um evento protagonizado pelo padre Armando foi quando se negou a celebrar o matrimónio do vidente de Asseiceira, Carlos Alberto Delgado, que acabou por se casar só pelo civil.

Com a inauguração da igreja, o padre Armando podia ter acalmado, mas não. Sempre irrequieto e empreendedor, foi impulsionador do Lar dos Velhinhos e ajudou na criação do Jardim Infantil O Ninho.
A evangelisação e ação pastoral revitalizaram-se em Rio Maior com a criação de vários movimentos católicos.

Em 1981 foi nomeado pároco do Entroncamento. Na altura da partida não foi esquecido pelos riomaiorenses que na despedida o acompanharam numa grande caravana automóvel.
Em 1994 foi nomeado Administrador Paroquial de Vila Nova da Barquinha, Moita do Norte e Atalaia.

Faleceu a 20 de Setembro de 1999 no hospital de Torres Novas.


Pode saber mais sobre a Igreja Matriz em:
http://rio-maior-cidadania.blogspot.pt/2010/02/igreja-matriz-em-rio-maior.html
Pode saber mais sobre a Igreja da Misericórdia em: 
Pode saber mais sobre o Vidente de Asseiceira em: