Pesquisar neste blogue

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Ponte em Estanganhola - São Sebastião

Na estrada EN361, ao se passar pela localidade de Estanganhola, atravessa-se o Rio do Penegral usando uma ponte estilo romana de um arco.
Como curiosidade, para a construção da Barragem de Castelo de Bode no Rio Zêzere (1945-1951), foi necessário reforçar esta ponte de modo a permitir a passagem dos camiões carregados de areia e pedra necessárias à contrução.
O Rio do Penegral nasce perto da localidade de Fonte Longa, Alcobertas. Após passar por Estanganhola, junta-se à Ribeira das Póvoas para formar a Ribeira dos Pisões que é um afluente da Ribeira de Alcobertas.

Sobre o nome Estanganhola:
Possivelmente, "Estanganhola" (ou "Estanguenhola") corresponderá à pronúncia local, o que seria compreensível, caso a origem deste topónimo fosse a que passamos a alvitrar.
Identificando reservatórios de água, represas ou açudes de variada dimensão, espalham-se por todo o país topónimos como "Tanque" e, principalmente a sul do Tejo, "Estanco" e "Estanque" e seus derivados, cuja lista, retirada da Carta Militar 1:25 000, pode ser consultada mais abaixo.
Estanganhola, a grafia inscrita na folha 339 da referida carta, mas que, à semelhança de outros topónimos cartografados na mesma folha, não passou por lapso ao Reportório Toponímico de Portugal, parece-nos corresponder a um derivado de estanco com dupla sufixação. Teríamos então o português antigo estanco "lago, tanque" + -inho + -ola > *Estanquinhola > *Estanquenhola (por emudecimento da vogal átona -i- em contacto com a consoante surda) > *Estanguenhola (por sonorização -q- > -g-) > Estanganhola (por assimilação progressiva).
Quanto ao "estanco" está hoje lembrado no topónimo Travessa da Azenha, em Estanganhola, a lembrar o tempo em que ali funcionava um moinho de água, certamente com um açude para armazenamento das águas desviadas do rio Penegral.
Esta descrição encontra-se no blog ‘toponímia: gentes & lugares’, em:

Sem comentários:

Enviar um comentário