Pesquisar neste blogue

sábado, 7 de maio de 2011

Posto da GNR em Rio Maior

Na Avenida General Humberto Delgado, encontramos o Posto Territorial da Guarda Nacional Republicana de Rio Maior.
É um imóvel de linhas direitas em que se destaca um enorme painel de azulejos do consagrado artista Leonel Moura. Neste painel pode-se ler, embora não muito facilmente pois as letras encontram-se sobrepostas, as palávras: Cidadania, Liberdade e Democracia.
O posto foi inaugurado em 18 de Julho de 2000.
Para contactar a Guarda, pode usar o telefone 243999500 ou o FAX 243999501.


A Guarda Nacional Republicana está em Rio maior desde o dia 2 de Setembro de 1912.
De recordar que a implantação da República Portuguesa ocorreu a 5 de Outubro de 1910, logo a chegada da guarda foi vista como um elemento valorizador da região e das vantagens do novo regime.
Mas nem tudo correu bem, pois o oficial da GNR, Sangreman Henriques, recusou a cocheira disponibilizada devido às suas reduzidas dimensões, ameaçando retirar imediatamente a força policial. A pedido da presidência da Câmara de Rio Maior, o Dr. Francisco Henriques de Carvalho Júnior cedeu temporariamente a sua cocheira. A situação ficou resolvida com a transformação de uma antiga adega, pertença do referido Dr. Francisco Júnior, em cavalaria e a estipulação de um contrato de arrendamento. A Comissão Administrativa da Câmara de Rio Maior para mostrar o seu agrado pela guarda se ter mantido na região, resolveu oferecer à sua conta, todo o petróleo necessário para iluminar o quartel e a cocheira.


A Guarda Nacional Republicana (GNR).

A Guarda Nacional Republicana (GNR) é uma força de segurança constituída por militares organizados num corpo especial de tropas, encarregado da segurança pública, da manutenção da ordem e da protecção da propriedade pública e privada em todo o território português, designadamente nas áreas mais rurais de Portugal Continental.

A GNR partilha as responsabilidades do policiamento de Portugal continental com a Polícia de Segurança Pública (PSP), cabendo a esta última a responsabilidade pelas grandes áreas urbanas e à Guarda, a responsabilidade das áreas rurais ou periurbanas.
Uma das responsabilidades mais visíveis da GNR é a guarda cerimonial de vários edifícios públicos, como o Palácio de Belém, o Palácio de São Bento e o Palácio das Necessidades.
Ultimamente é também visível o extraordinário desempenho que os militares da Guarda têm tido nas operações internacionais para as quais são destacados.
Breve História da GNR.

Em 1801 é a criada a Guarda Real da Polícia de Lisboa, pelo Príncipe Regente D. João, inspirando-se na Gendarmerie francesa.
Em 1802 a Guarda é vinculada ao Exército, como tropa de linha.
Posteriormente é criada a Guarda Real da Polícia do Porto e a Divisão Militar da Guarda Real da Polícia do Rio de Janeiro.
Na sequência da Guerra Civil, D. Pedro assume a regência e em Maio de 1834 dissolve as Guardas Reais da Polícia, mas quase de imediato cria a Guarda Municipal de Lisboa e pouco tempo depois a Guarda Municipal do Porto, com características idênticas às iniciais.
Em 1868 ambas as Guardas são colocadas sob um comando único.
Com a chegada da República, as Guardas Municipais são extintas e são criadas as Guardas Republicanas com as mesmas responsabilidades das anteriores.
A 3 de Maio de 1911 é criada por decreto a Guarda Nacional Republicana.
Precisamente hoje, comemora-se o centenário desta instuitição.

Pode saber mais sobre a GNR em:

Sem comentários:

Enviar um comentário